segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Ginástica laboral facilitando a vida do patrão


A ginástica laboral tem o objetivo de manter a saúde dos funcionários de determinado local de trabalho através de exercícios físicos direcionados para aquela atividade profissional e feitos durante o expediente. Esta atividade deve ser acompanhada e orientada por um profissional da saúde física (um educador físico), para que obtenham-se os resultados esperados.

Seus benefícios são de caráter físico, psicológico e social para o trabalhador e são inúmeras as vantagens para a empresa também, como a efetiva melhoria do meio ambiente de trabalho, relações inter pessoais saudáveis e felizes, com certeza produzem mais e melhor, mas os principais pontos notados com a ginástica laboral são as diminuições na ocorrência de faltas ao trabalho por motivos médicos e também a diminuição dos acidentes de trabalho.

Diminuir os problemas de saúde no trabalhador é sinônimo de qualidade de vida do empregado e aumento de produtividade na empresa. Qual é o patrão que não sonha com isso?

Para que este trabalho da ginástica laboral seja eficaz e produtivo para o trabalhador e para a empresa, é importante a contratação de um profissional qualificado e competente para atender a demanda de todos.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Fisioterapia e Educação Física juntas na Ginástica Laboral




Há uma grande discussão (PARECE QUE ETERNA) entre qual é o melhor profissional pra aplicar a ginástica laboral na empresa. Além de saber se o fisioterapeuta ou o profissional de educação física é o mais adequado pra os objetivos propostos, tem algumas características que não se pode ignorar no profissional que trabalha com Ginástica Laboral.

O modelo mais ideal inclusive que eu já tive oportunidade de trabalhar é cm fisioterapeutas e professores de educação física trabalhando lado a lado. Como a empresa tinha funcionários já atingidos com doenças ocupacionais, conseguimos separar, em etapas o trabalho para que obtivesse sucesso nos objetivos propostos.

Foi feita uma avaliação dos praticantes e da forma como eles trabalhavam e como desenvolveram a patologia. A avaliação foi feita pelo fisioterapeutas, que acompanhavam esse grupo de pessoas nas aulas que eram dadas pelo profissional de educação física. Se o fisioterapeuta identificasse que a atividade ão era adequada para esse grupo de pessoas, um trabalho especial era feito com ele.

Ou seja, coube aos fisioterapeutas a prescrição das condutas fisioterapêuticas (quando necessárias), a sua ordenação e indução no paciente, bem como o acompanhamento da evolução do quadro clínico funcional. A incumbência deles é o acompanhamento e o tratamento das lesões já instaladas. Limite este que já está fora da ação do Profissional de Educação Física.

O Profissional de Educação Física atua, por meio de métodos preventivos, para minimizar e/ou evitar a possibilidade de ocorrência de lesões decorrentes das atividades repetitivas/cotidianas, do estresse causado pela atuação laboral e de atividades que tragam algum risco para os trabalhadores. Atividade recreativas ficavam por conta deles.

Não há como negar que esse tipo de trabalho, complementar da educação física e da fisioterapia, foi muito bem aceito não só pelos funcionários mas pelo pessoal do RH. E, sempre que possível, tento pautar a minha atuação desta forma.

Até a próxima.

Escrito por Daniela Souto, fisioterapeuta e profissional de Educação Fisica, que escreve no  Faça Fisioterapia, no blog da Educação Fisicaa e atua pela Fisioquality 

Ícone Facebook Ícone Twitter Ícone Google+ Ícone Instagram http://www.sergiofasilva.com/static/images/linkedin.png 

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

10 formas de pausa no trabalho sem sair da sua mesa


shutterstock_10749814

Parece que um empreendedor quase nunca tem um momento para relaxar quando está começando sua empresa – quanto mais tirar alguns dias de férias. Mas o site da revista Inc. criou uma lista de atividades que podem ser feitas na própria mesa do escritório, ajudam a recarregar as baterias e voltar a rotina com mais empolgação. Confiram:

1. Medite
Basta parar um pouco e meditar por pelo menos cinco minutos. Se quiser, coloque fones de ouvidos e selecione uma música instrumental para abafar o barulho do escritório. Tente se concentrar e eliminar todos os pensamentos diários.

Acesse o blog da Fisioterapia

2. Faça um festival de vídeos
Pare um pouco de trabalhar para ver um vídeo interessante ou divertido, ou faça uma verdadeira maratona de YouTube com os vídeos que as pessoas estão mais comentando nas redes sociais, no dia. Você pode aprender alguma coisa ou simplesmente rir um pouco.

3. Leia um pouco de ficção
Fuja dos livros técnicos e leia algumas páginas daquele romance que você começou ou compre uma coletânea de contos. Para cada intervalo que você der, tome tempo para se distanciar um pouco da realidade com boa literatura.

4. Faça ioga ou se alongue
Se você já gosta de ioga, pode fazer as partes superiores de algumas das posições. Se não, apenas se alongue e treine sua respiração por alguns minutos.

5. Resolva um problema ou jogo
Pegue a seção de cruzadinhas ou sudoku do seu jornal e exercite seu cérebro de forma lúdica. Completá-los libera endorfina, que te deixará mais empolgado.

6. Escreva uma carta
Comece uma carta – ou até e-mail – para aquela pessoa com quem você gostaria de conversar alguma coisa, mas nunca teve tempo ou coragem para fazê-lo. Pode ser um antigo amor, um membro da família. No fim você pode até ficar com vontade de realmente enviar o texto.

7. Ligue para um grande amigo
Com alguns minutos você compartilhará histórias, risadas e problemas, deixando os eu dia mais leve.

8. Ouça um podcast
Esses práticos e curtos programas de áudio podem informar ou até mesmo divertir. Você ficará por dentro de discussões importantes e também conhecerá novas histórias.

9. Limpe e organize sua mesa
Pode parecer mais trabalho do que relaxamento, mas finalmente tirar um tempo para arrumar a bagunça da sua mesa pode ser terapêutico. Você pode achar coisas que havia perdido e também sairá da experiência com o sentimento de dever cumprido.

10. Planeje uma viagem
Você não pode sair de férias agora? Então planeje sua próxima viagem. Pense em detalhes, hospedagem, passeios e se comprometa a fazê-la quando possível. Empreendedor também merece uma folga de vez em quando.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

A ginástica laboral e a Lesão por Esforço Repetitivo (LER)

http://i1.r7.com/data/files/2C95/948E/2F77/FE44/012F/7F94/46E2/1918/ginastica-laboral-450x338.jpg

O programa de Ginástica Laboral (GL) tem como objetivo prevenir a LER/DORT, além de interferir positivamente no relacionamento interpessoal, aliviando as dores corporais proporcionando benefícios tanto para o trabalhador quanto para a empresa apresentando resultados mais rápidos e diretos na saúde dos trabalhadores.

Mas o que é LER ou DORT? LER (Lesões por Esforços Repetitivos), DORT (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) são consideradas síndromes de dimensões sociais e econômicas que refletem diretamente na capacidade funcional do trabalhador dificultando a forma de exercer suas atividades e funções causando um grande sofrimento decorrente desse mal, gerando custos significativos para as organizações e o Estado. Nos últimos 20 anos têm aumentado progressivamente o número de pessoas afetadas pelas LER/DORT .

A Ginástica Laboral promove adaptações fisiológicas, físicas e psíquicas, sua prática é exercida no ambiente de trabalho através de exercícios dirigidos e adequados para cada setor ou departamento da empresa.

No momento em que a musculatura está sendo exercitada, há um aumento da temperatura corporal, tecidual e da circulação sanguínea provocados por adaptações fisiológicas. As adaptações físicas proporcionam melhoria na flexibilidade, mobilidade e postura do trabalhador. As psicológicas envolvem mudança de rotina favorecendo o relacionamento patrão/empregado e a integração entre pessoas que circulam pelo ambiente. O programa de Ginástica Laboral através da comunicação ativa expressada pelo corpo e pela cooperação nas atividades exercidas em duplas ou em grupos proporciona um convívio social diário, estabelecendo um encontro marcado com a saúde uma vez que integra as pessoas, e o espírito de equipe passa a prevalecer de forma que possam se conhecer melhor.

Quando estes se exercitam em grupos trabalhando o espírito de equipe, proporciona além de uma melhor qualidade na produtividade, um crescimento pessoal do funcionário, essa mudança de rotina na empresa melhora consequentemente a saúde mental dos mesmos.

A Ginástica Laboral (GL) no ambiente de trabalho, por prevenir alguns distúrbios osteomusculares como a LER/DORT, além de ser uma proposta interessante,

vem produzindo efeitos positivos no combate ao sedentarismo e suas conseqüências, conscientizando os trabalhadores sobre a importância da movimentação natural do corpo, conservação da postura e sua saúde

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Exercícios contribuem para prevenção da tendinite


Exercícios contribuem para prevenção da tendinite  Stock Photos/Divulgação


Uma vez instalada, a tendinite se torna difícil de tratar e pode ser, muitas vezes, reincidente. Quando o braço, punho ou o ombro começam a doer, é importante não ignorar o sinal para que ele não se transforme em um diagnóstico da doença. E apesar de exigir disciplina para lidar com o problema, a tendinite não é imbatível. Exercícios de alongamento e fortalecimento dos tendões podem ajudar na prevenção da doença.

No entanto, cada pessoa possui uma necessidade diferente no que diz respeito à prevenção e tratamento da doença e fatores como a profissão e o biotipo influenciam nesta matemática. É necessário adaptar o tendão para suportar o ritmo de trabalho de cada um. Alguém que digita 500 palavras por minuto precisa fazer uma musculação, alongar para deixar o tendão mais forte e assim suportar esse ritmo.

A tendinite nada mais é que uma sobrecarga dos tendões, estrutura que une o músculo ao osso. Uma inflamação que está muito relacionada ao trabalho e que pode acometer qualquer parte do corpo, mas que é mais recorrente nos ombros, punhos, cotovelo, joelho e tornozelo. Pessoas que trabalham com computador devem ficar atentas, pois os movimentos relacionados à digitação podem propiciar o aparecimento de uma tendinite em longo prazo, mas toda atividade que envolve movimento pode provocar uma sobrecarga no tendão.

Algumas empresas já fazem um trabalho de ergonomia a fim de evitar lesões como a tendinite, no entanto, o especialista alerta que tais medidas não são suficientes.

O ideal é fazer o exercício de alongamento e fortalecimento do tendão por quarenta, cinquenta minutos, três vezes por semana. No caso de pessoas que sofrem com tendinites reincidentes, uma mudança de hábitos na rotina, principalmente no ambiente de trabalho. Caso contrário, o tendão vai sofrer outro estresse, o que vai acarretar um novo processo inflamatório, uma volta ao médico, ao tratamento com anti-inflamatórios e fisioterapia.

Matricular-se em uma academia pode ser um bom começo para quem já enfrentou ou quer evitar a tendinite. A prevenção continua sendo melhor do que qualquer medicamento ou receita e alerta para a importância de ouvir os sinais que o corpo dá.

Ninguém que está dormindo e toca o alarme na casa dele, desliga o alarme apenas por causa do barulho porque deseja dormir. Com a dor, a primeira coisa que a gente faz é desligar o alarme do corpo.

sábado, 8 de novembro de 2014

14 dicas para não prejudicar sua coluna no dia a dia

Home postura  (Foto: Época)

Quando deixa cair uma caneta no chão, o que você faz: flexiona os joelhos e agacha ou curva o tronco para alcançá-la? E quando está digitando em seu teclado no escritório, lembra-se de manter a coluna ereta e os cotovelos apoiados? Na correria, é comum esforçar, sem necessidade, certas regiões do corpo. As atividades domésticas e cotidianas submetem o corpo a posturas arriscadas para a coluna, quadril, joelhos e ombros. Ficar atento e se policiar são primordiais para manter a elegância sempre. A notícia boa: aplicando algumas orientações simples à forma como nos movimentamos, é possível quebrar os maus hábitos e conquistar uma rotina mais saudável.

Editora Globo (Foto: Editora Globo)
Editora Globo (Foto: Editora Globo)
Varrer o chão (Foto: Editora Globo)
Afastar móveis (Foto: Editora Globo)
Estender roupa no varal  Não se estique para alcançar um varal alto. O ideal é deixá-lo em uma altura acessível, na qual você possa esticar a roupa sem levantar os braços acima da linha dos ombros.  (Foto: Editora Globo)
Dormir Durma em cima de um dos lados do corpo, com um travesseiro sob a cabeça e outro entre os joelhos. Assim você preserva o alinhamento da coluna. (Foto: Editora Globo)
Escovar os dentes  Deixe uma mão sobre a pia e o pé, do mesmo lado do corpo, sobre um pequeno banco ou um balde. Incline-se levemente para frente, focando o movimento no quadril, além da coluna. Contraia o abdômen. (Foto: Editora Globo)
Calçar sapatos Sente em uma cadeira, cruze uma perna sobre a outra e coloque o sapato evitando curvar a coluna.  (Foto: Editora Globo)
  •  
Amamentando Visando ao conforto, a mãe deve usar um travesseiro para apoiar braços e cabeça e alternar o lado do corpo no qual está segurando o bebê. (Foto: Época)

 

Colocar criança no berço (Foto: Editora Globo)
Carregar o bagageiro (Foto: Editora Globo)
Trabalhar em escritório (Foto: Editora Globo)
Usando o computador  (Foto: Editora Globo)
Dirigir  (Foto: Editora Globo)

terça-feira, 21 de outubro de 2014

4 exemplos clássicos de quem sofre com a LER

http://www.cdlvca.com/v1/wp-content/uploads/2013/03/ler-lesoes-por-esforco-repetitivo-no-trabalho-2-105.jpg


A LER (Lesão por esforço repetitivo) é cada vez mais comum no Brasil.. Tao comum que é difícil você não ter sofrido desse mal ou conhecer alguém que já não tenha sofrido. Ela acontecem por uma série de fatores que dependem da organização do trabalho, além das condições emocionais e físicas das pessoas.

As LER provocam dores, uma vez que essas lesões são acompanhadas por inflamações nos tendões, músculos e nervos do pescoço, das costas, dos ombros, dos braços, dos punhos e das mãos de pessoas que, na maioria das vezes, trabalham com movimentos repetidos, errados e mantêm posturas incorretas.

Elas atacam qualquer pessoa que faz movimentos repetitivos por períodos prolongados, não importa o tipo de esforço ao qual a pessoa é submetida. Vamos a três exemplos do dia a dia que podem fazer a pessoa sofrer com essa doença:

1) Usuários de computador

Talvez os usuários de computador é o exemplo mais clássico de acometimento por LER. Eles são muito atingidos pela LER de punho porque digitam horas a fio mesmo que a digitação não envolva força.

2) Trabalhador com movimento mecânico

São as pessoas que passam o dia inteiro fazendo a mesma coisa, num mesmo gesto motor. Por exemplo, quem trabalha numa linha de produção que eleva uma prensa ou qualquer outro objeto pesado para acima de sua cabeça e depois desce com ele até a altura do abdômen. Esta pessoa pode desenvolver a LER de ombro.

3) Donas de casa

Varrer, lavar louça, ficar numa posição durante muito tempo podem causar LER. Por exemplo, a dona de casa que varrer por muito tempo a calçada com a coluna inclinada para frente pode ser acometida de LER na região da coluna.

4) Praticantes de atividade física

A LER é causada por qualquer atividade que solicite movimentos repetitivos. Atletas, por exemplo, como jogadores de tênis, mesmo amadores, mas que costumam treinar diariamente podem também desenvolvê-la.

Esses foram alguns exemplos de pessoas que podem ter esse tipo de patologia e exemplifica porque ela é cada vez comum no nosso dia a dia.  Previna-se!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...